Google faz Homenagem a José Mauro de Vasconcelos

O livro conta a história de Zezé, filho de uma família muito pobre. Zezé em meio a pobreza, a solidão e o desajuste social, cria um mundo de fantasia como fuga para a dura realidade em que vivia.  Assim é que um pé de laranja-lima que ele chama de Minguinho se torna seu confidente, a quem conta suas aventuras e desventuras.  Ele encontra apoio e carinho também em algumas pessoas como a professora Cecília, um caixeiro viajante e  sobretudo em Manuel Valadares, um português que ele apelida carinhosamente de Portuga, uma figura que substitui seu pai. A vida, porém, lhe prega uma peça cedo demais levando seu amigo Portuga só lhe restando Minguinho como amigo e confidente.
Se eu fizer um Top 5 dos meus livros preferidos, com certeza Meu Pé de Laranja Lima estará entre eles.
O primeiro contato que tive com a obra foi em forma de novela, reprisada pela bandeirantes no início dos anos 90. Adorava e não perdia um capítulo.
Parte do elenco da novela que foi reprisada nos anos 90.
Depois, fui em busca do livro pra ler. E esse foi o único livro que me fez chorar copiosamente enquanto lia, a ponto de ter de parar a leitura, respirar fundo pra poder continuar. Um livro triste, mas é uma leitura que cativa e te envolve. Recomendo muito.
Em 2012 lançaram a segundo versão do livro para o cinema. Um dos poucos filmes que eu vi baseado em livros que se manteve fiel a obra de origem. Também foi o único filme até hoje que conseguiu me fazer chorar. A fotografia do filme é linda e a atuação do José de Abreu como Portuga é impecável.
Cartaz promocional do filme lançado em 2012.
E hoje, 26 de fevereiro, José Mauro de Vasconcelos, o autor do livro,  estaria fazendo 95 anos e o Google fez um doodle em sua homenagem. Achei lindo e por isso decidi fazer esse post.
Doodle do dia 26/02/2015 em homenagem ao 95º aniversário de José Mauro de Vasconcelos.

Citações de livros – 1

Se as nuvens estão bloqueando o sol,
sempre tento ver aquela luz por trás delas,
o lado bom das coisas, e lembro de continuar tentando.
{O lado bom da vida – Matthew Quick}

 

Livros da Série Vaga-lume

A coleção de livros da série vaga-lume da Editora Ática fez parte da minha infância e adolescência. São livros de fácil leitura e que prende o leitor de tal maneira que não dá pra parar de ler.
O primeiro livro que li foi Zezinho, o dono da porquinha preta. Foi a pedido da professora da terceira série. Depois vieram outros também a pedido da escola.
Mas no final dos anos 80 minha irmã que trabalhava na secretaria de uma escola, conseguia não me lembro se era mensalmente, dois exemplares da série vaga-lume. Era uma alegria quando ela chegava em casa com os livros. E eu os devorava rapidinho.
Numa página da Wikipedia tem a relação se não de todos os livros pelo menos a maioria deles. E vendo essa lista, anotei os títulos que eu lembro que li.
1. A grande fuga
2. A montanha de duas cabeças
3. A primeira reportagem
4. A serra dos dois meninos
5. A turma da Rua Quinze
6. A vida secreta de Jonas
7. Açúcar amargo
8. Aventura no Império do Sol
9. Aventuras de Xisto
10. Bem-vindos ao Rio
11. Cem noites tapuias
12. Coração de onça
13. Deus me livre!
14. Enigma na televisão
15. Garra de campeão
16. Menino de asas
17. Meninos sem pátria
18. O caso da Borboleta Atiria
19. O escaravelho do diabo
20. O mistério da cidade fantasma
21. O mistério do cinco estrelas
22. O mistério dos morros dourados
23. O ninho dos gaviões
24. O outro lado da ilha
25. Pega ladrão
26. Perigos no Mar
27. Quem manda já morreu
28. Sozinha no mundo
29. Spharion
30. Tonico
31. Tonico e carniça
32. Um cadáver ouve radio
33. Um leão em família
34. Xisto e o pássaro cósmico
35. Xisto no espaço
36. Zezinho, o dono da porquinha preta
Nessa lista, entre tantos que gostei de ler, tenho dois preferidos.
Zezinho, o dono da porquinha preta que conta a história de Zezinho, que tem uma porquinha de estimação e um pai muito severo. O pai decide vender a porquinha e Zezinho faz de tudo para salvá-la. Uma história triste, mas linda. Li e reli várias vezes.
Meninos sem pátria conta a história de Marcão e Ricardo, filhos de um jornalista perseguido por questões políticas e a família é forçada a deixar o Brasil. Fugiram para o Chile e, em seguida, para a França. Apesar deles conseguirem se adaptar bem aos novos países, sabem que tudo é provisório e um dia chegará o momento de retornar. É França que Marcão faz seus melhores amigos e encontra a francesinha Claire, por quem se apaixona.
Li em algum lugar que a Editora Ática está querendo lançar os livros em ebook. Tomara que levem essa ideia adiante, pois eu adoraria reler alguns títulos.
E você, gostava de ler a Série Vaga-lume na sua infância/adolescência? Qual foi seu livro favorito? Conta pra gente.

 

Resenha: Tribunal das Almas – Donato Carrisi

Um livro que comecei a ler, atraído apenas pelo título. Gosto de romances que tenham trama com algum elemento religioso ou mitológico.  O título Tribunal das Almas pareceu-me sugestivo. Durante o desenrolar da leitura percebi que o romance era na verdade um ótimo thriller psicológico com investigação e suspense, gêneros que gosto muito. E tinha lá sua pitada de religião.
Tudo começa quando um casal de paramédicos segue em uma ambulância para uma casa, onde encontram um homem desfalecido. Ao abrir a roupa para começar com os procedimentos de primeiro socorros, a paramédica encontra uma tatuagem no peito do homem que diz “me mate”. Ao olhar ao redor, encontra um patim que pertenceu a sua irmã gêmea que morrera violentamente assasinada. Logo ela associa tudo e fica entre cumprir seu dever de médica e salvar o assasino de sua irmã ou deixar que ele morra.
Mais adiante, com o desaparecimento de uma estudante de nome Lara, entra em cena um personagem obscuro que será a chave para a solução da investigação, o Pe. Marcus. Um homem que sofre de amnésia e não lembra de seu passado. Ele faz parte de uma ordem de sacerdotes católicos criminologistas chamados de Paenitentiaria Apostolica. Pe.Marcus tem um talento nato em detectar detalhes em crimes que outros não percebem. Sandra, a especialista em fotografia criminal participa da investigação, enquanto sofre um drama pessoal de ter perdido seu marido, morto em condições não muito claras.
O romance é muito surpreendente com uma estória complexa e cheia de flashbacks. As narrativas que no comeco parecem correr  pararelas dentro da estória, depois se entrelaçam satisfazendo a conclusão do romance. O leitor na verdade terá à frente vários mistérios a serem resolvidos durante a trama. E é difícil dizer mais alguma coisa sobre o romance, pois pode estragar a surpresa que ele contém.
Na minha opinião é um livro com ótimo enredo e vê-se que para construir a ficção o autor fez um estudo aprofundado para dar um sentido consistente ao romance. Arrisco a dizer também, que implicitamente existe uma discussão sobre o mal e o que ele é capaz de fazer com as pessoas. Indico muito e já penso em ler outro romance do mesmo autor.

Conhecendo a estrutura física de um livro

Quando comecei a comprar em sebos online, percebi a necessidade de conhecer as partes de um livro. Eu lia algum anúncio e notava os detalhes sobre as partes do livro como lombada gasta, corte com marcas de uso. Isso pode fazer alguma diferença na hora da escolha, quando se tem várias ofertas do mesmo livro. O pouco que sei vou compartilhar neste post.

Lombada: É a parte visível quando o livro está na estante. Nessa parte fica gravado também o titulo do livro, o nome do autor, a editora e o volume se for o caso de uma coleção. Pode-se dizer que a lombada é espinha dorsal do livro.
As editoras tem caprichado nos detalhes da lombada tornando-a algo atrativo, pois em uma livraria com livros em uma prateleira um ao lado do outro, o cliente verá de imediato a lombada. A lombada pode ser chamada também de dorso ou lombo.
Miolo: Aqui ficam as folhas impressas que estão entre as capas.

Esse miolo já está amarelado e com manchas.
Folhas de guarda: totalmente branca e não é obrigatória. Em livros de capa dura serve para manter o miolo. Em edições especiais pode ser decorada.
Folha de ante rosto: é a primeira logo depois da capa e pode conter apenas o título do livro.
Folha de guarda e folha de ante rosto

 

Folha de rosto: apresenta o título da obra, autor, local e ano da publicação. No verso da folha de rosto pode ser encontrado o ISBN e outras informações para efeito de catálogo do livro.
Sobrecapa: Não vem em todos os livros. A sobrecpa protege a capa e contracapa e pode também fazer com que o livro fique mais bonito.

Sobrecapa mangá Vagabond vol. 7, Ed.Conrad.
Capa: é a apresentação do livro onde fica o título e nome do autor. Pode ter ou não alguma ilustração. Dizem que não se conhece um livro pela capa, mas ela acaba se tornando o chamariz para o leitor. Edições especiais de capa dura com uma elaborada ilustração, pode dar à estante de livros um efeito decorativo.

A contracapa: nela fica um resumo sobre o conteúdo do livro e pode ter também informações sobre o autor.

As orelhas: são um prolongamento da capa e contra capa e são dobradas para dentro do livro. Antes de comprar o livro sempre é bom checar as informações que estão na contra capa e nas orelhas.  Alguns livros não colocam informações na contra capa, mas sim nas orelhas. Em certos casos a apresentação de um livro começa na orelha da capa e termina na orelha da contracapa. As informações na orelha é que ajudam o leitor a decidir pela leitura do livro.

 

Corte: como a própria palavra diz é onde a lâmina da máquina cortou as folhas que formam o livro. Nos sebos os vendedores volta e meia informam se o corte apresenta algum tipo de cor ou sujeira.

Tem algo a acrescentar neste post? Então comenta pra gente.

Resenha: O Físico – Noah Gordon

A estória de O Físico começa na Inglaterra medieval do século XI. A narrativa é centrada no personagem Rob Cole que tem um dom extraordinário: ao tocar as mãos de uma pessoa doente, sabe se ela vai morrer em breve. Esse dom vai levá-lo ao Oriente em uma viagem de muitas aventuras. Mas não sem antes,  aprender as artes de saltibanco e de cirurgião-barbeiro com seu protetor, Barber.
O autor coloca em cena a cultura islâmica e a avançada medicina desenvolvida na Pérsia. Interessante também o olhar que Noah Gordon lança para a situação e os costumes da comunidade judaica na época , tolerada e indesejada tanto pelos cristãos  como pelo muçulmanos. Os judeus são a ponte de Rob Cole para o mundo árabe e com eles aprende o idioma persa. Atenção para o filosofo Ibn Sina, figura histórica que no romance será o mestre de Rob.
Na minha opinião a estória é demasiadamente centrada em Rob Cole e senti falta de um aprofundamento sobre outros personagens. É um livro que faz lembrar um roteiro de filme. E de fato, depois de pesquisar na internet, vi que não faz muito tempo que adaptaram a estória para o cinema. Isso não desmerece o tempo lido, no entanto a estória tem lá seus clichês típicos de um filme de aventura. De modo geral, a leitura vale a pena por conduzir o leitor nas  culturas cristã, judaica e islâmica da época.