Resenha: Como Jesus se tornou Deus – Bart D. Ehrman

Apesar do título, “Como Jesus se tornou Deus” é um livro que não tem pretensões teológicas. O autor é um pesquisador que faz uma análise histórica sobre como as pessoas compreenderam Jesus no desenrolar do primeiro até o quarto século do cristianismo.
Bart D. Ehrman escreve o livro de maneira acessível ao público, problematizando questões sobre a pessoa de Jesus de Nazaré sem utilizar uma linguagem demasiadamente acadêmica. Isso é seu mérito, pois o assunto já foi motivo de diversos estudos e publicações, mas não com o objetivo de popularizar o debate. O livro conserva as referências bibliográficas das fontes utilizadas pelo autor e o mesmo é honesto quando expressa as suas opiniões mais particulares.
O tema é polêmico. A grande maioria dos crentes e até mesmo dos não crentes, aprendem que Jesus sempre foi entendido como Deus. Segundo Ehrman, do cristianismo primitivo até o século IV, houve várias percepções sobre a divindade de Jesus e estas percepções evoluíram e competiram entre si, até chegar a uma proposição ortodoxa que é a aceita hoje. Bem resumidamente, existiam duas correntes de pensamento: uma dizia que Jesus teria se tornado divino por adoção de Deus e a outra que dizia que Jesus era uma criatura divina por natureza que foi encarnado homem e que foi exaltado tão divino quanto Deus. Atualmente é dogmático o conceito de Jesus como segunda pessoa da Trindade e consubstancial ao Pai, não criado, igual em poder e eterno desde sempre. Um dogma que foi imposto graças à intercessão do Constantino, o imperador convertido que viu no cristianismo a força amálgama que uniria o Império Romano. Se a Igreja continuasse com diferentes interpretações e divisões, a fragmentação do Império não seria contida. Foi escolhida a compreensão aceita pela maioria e os que insistiram no desacordo foram exilados.
A abordagem do livro começa com um estudo sobre a interação entre deuses e humanos na antiguidade, não somente na cultura pagã mais também judaica. Apresenta outros candidatos a “messias” que concorreram com Jesus. Entra nos livros do Novo Testamento ressaltando as diferenças entre os evangelhos canônicos e investiga demoradamente as cartas do apóstolo do Paulo no que se refere ao tema. As cartas dos outros apóstolos não são esquecidas e também são alvo do autor.
Como Jesus se tornou Deus é um livro instigante e despretensioso em determinar qual o melhor conceito sobre a divindade de Jesus. Nem tão pouco quer afirmar se realmente ele era ou não Deus. Não é um livro religioso ou de teologia. No entanto, a pesquisa histórica de Bart D. Ehrman deixa aparecer o humano Jesus. Sábio e humilde rabi que vindo da zona rural, transmitia uma mensagem simples e inovadora de amor para todos que quisessem ouvir. Com o passar do tempo essa mensagem começou a receber múltiplas interpretações e refinamentos, modificando não apenas o evangelho em si como a própria visão sobre a pessoa dele.