Resenha: Tribunal das Almas – Donato Carrisi

Um livro que comecei a ler, atraído apenas pelo título. Gosto de romances que tenham trama com algum elemento religioso ou mitológico.  O título Tribunal das Almas pareceu-me sugestivo. Durante o desenrolar da leitura percebi que o romance era na verdade um ótimo thriller psicológico com investigação e suspense, gêneros que gosto muito. E tinha lá sua pitada de religião.
Tudo começa quando um casal de paramédicos segue em uma ambulância para uma casa, onde encontram um homem desfalecido. Ao abrir a roupa para começar com os procedimentos de primeiro socorros, a paramédica encontra uma tatuagem no peito do homem que diz “me mate”. Ao olhar ao redor, encontra um patim que pertenceu a sua irmã gêmea que morrera violentamente assasinada. Logo ela associa tudo e fica entre cumprir seu dever de médica e salvar o assasino de sua irmã ou deixar que ele morra.
Mais adiante, com o desaparecimento de uma estudante de nome Lara, entra em cena um personagem obscuro que será a chave para a solução da investigação, o Pe. Marcus. Um homem que sofre de amnésia e não lembra de seu passado. Ele faz parte de uma ordem de sacerdotes católicos criminologistas chamados de Paenitentiaria Apostolica. Pe.Marcus tem um talento nato em detectar detalhes em crimes que outros não percebem. Sandra, a especialista em fotografia criminal participa da investigação, enquanto sofre um drama pessoal de ter perdido seu marido, morto em condições não muito claras.
O romance é muito surpreendente com uma estória complexa e cheia de flashbacks. As narrativas que no comeco parecem correr  pararelas dentro da estória, depois se entrelaçam satisfazendo a conclusão do romance. O leitor na verdade terá à frente vários mistérios a serem resolvidos durante a trama. E é difícil dizer mais alguma coisa sobre o romance, pois pode estragar a surpresa que ele contém.
Na minha opinião é um livro com ótimo enredo e vê-se que para construir a ficção o autor fez um estudo aprofundado para dar um sentido consistente ao romance. Arrisco a dizer também, que implicitamente existe uma discussão sobre o mal e o que ele é capaz de fazer com as pessoas. Indico muito e já penso em ler outro romance do mesmo autor.