Auto de fé do sonho de bits – Parte 1

 

 

Essas
pessoas dos sonhos com bits que se mostram tão livres e modernas. E
julgam e culpam fantasmas inquisidores. O tempo as contempla e diz:
mais do mesmo.
A
sutileza do proselitismo – às vezes não tão sutil – com suas
armas de silício em barcos de rios virtuais. Em alucinações
mornas que abraçam novos adeptos, transformadas em tentáculos
inflamantes aos que fogem e rejeitam prisões de falsos afetos. Este
proselitismo… Este proselitismo o tempo contempla e diz: mais do
mesmo.
Todos
dormem, estão todos com sono, é preciso acordar a todos, dizem os
vigilantes da nova fé dos sonhos. Senão… Dedos gosmentos sobre
teclados físicos e virtuais, transformando a web em uma teia
pegajosa, capturando a diversidade desavisada, natural e
despretenciosa.
É precisa acreditar nestes simulacros para que eles
possam exercer a missão de “acordadores”. Aceite e acorde com a
boca empaturrada de chocolate, enchendo uma privada de disenteria
mental. Fios invisíveis a conduzir sua vontade. Mas..ah. Como é
doce a liberdade de ser igual! O tempo assiste a este repetido teatro
de novos atores e diz: mais do mesmo, mas é até engraçado.

Mico na linha

 

Alguém estava para machucar este mico e eu cheguei a tempo de evitar.
No dia seguinte ele apareceu em frente à minha janela e ficou assobiando para outros micos.
A voz é de minha esposa mostrando o mico para a gata, Lua. O ser arfando é nosso shih tzu, Kipu.