A Alquimia do Despacho

Lembro quando os amigos da infância encontravam dinheiro nos despachos dos cruzamentos ou nos matos de capins, urinavam no papel moeda para que fosse feito o quebranto. Dessa maneira, as maldições dos Orixás não os azaravam.  A cédula era colocada ao sol. Quando já seca, muitos iam a uma vendinha comprar uma raia que é um tipo de pipa baiana.

Acontece que os mais apressadinhos, não esperavam a nota secar totalmente e levavam o dinheiro úmido, cheirando a urina, ao vendedor. O dono da vendinha ficava indignado e saia os meninos correndo, escapando dos safanões.

Isto foi um relato verdadeiro e eu não sei o que tem a ver com alquimia. Mas na arte a gente pode tudo.